Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


quinta-feira, 1 de março de 2012


Fernando Pessoa


"O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão

São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor

São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma"



Nenhum comentário:

Postar um comentário