Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


sexta-feira, 22 de agosto de 2014


A cidade obscurece em luzes
nada é mais lento que a verdade
meu olhar perfura a noite sem rumores
tudo é tão claro como a paz.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Você me chegou em noite
de suor e calafrios
se instalou em minha vida
sem rodeios e artifícios
prometendo-me sorrir sem fim.
Nunca troque o sol brando e perene da amizade
pela fogueirinha urgente e avassaladora do desejo.
A não ser que queira, e acredite que possa,
transformá-la em um astro intempestivo.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Minas

Minas me deu mais de mim
do que eu mesmo poderia,
de mim mesmo corpo-alma
ou qualquer outra anatomia.

Mais que toda a sublime
ou sua vã geografia,
a filosofia, mais que toda
escrita sina, indefinida.

A pedra angular, contemplativa,
largos onde ampliar o grande
e um olhar rodopiante 
a toda forma-pedra,

todo ouro ou diamante,
toda paisagem viva
transbordante à fita
de seu horizonte.