Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


domingo, 17 de junho de 2012

o cello

a corda acode
o vaivém do arco
e faz vibrar o corpo
em movimento bailo
que encolhe e se expande
ao som do acorde
em aço doce aveludado
que preenche e sai
do corpo amadeirado
instrumento-vinho
dentre todos
o acolhido mais
o degustado em si
no vão da alma
e tudo então
num todo só de dois atado
em invisível laço musical
vai produzindo intenso 
um desejo inato
pelo amor da consonância e
a quintessência soa afinação

Nenhum comentário:

Postar um comentário