Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


domingo, 12 de setembro de 2010

sagração

Toda a maciez e
todos os mistérios do mundo
repousam neste corpo nu
sobre o qual eu me ajoelho e celebro
nosso amor que é um Deus
o poema, a oração.

Um comentário: