Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


quarta-feira, 18 de agosto de 2010

declamação



O teu rosto é um poema
que um dia se lê e nunca mais se esquece.

Olhava o céu vendo o teu rosto
e sobre a imensa página azul
deslizavam olhares tão sonhados,
poemas em prosa, verso, lábios,
sonetos puríssimos,
a imagem suave e clara de tua pele,
teus cabelos dourando
como o sol de um céu pra sempre em sonho.

São em teu rosto tudo versos,
oferendas de pêssego, luz e mel.
O que serenam ardendo os teus olhos,
a sedução que amanhece em teu sorriso.

Quero declamar novamente teu rosto,
toda a vez que me inspirarem tuas rimas.
E mesmo que seja uma noite de lua e estrelas
ou o dia se apresentar coberto de nuvens,
haverá um imenso azul em tudo,
como no dia em que descobri que te queria para construir meu mundo.

Eu caminhava
e declamava o teu rosto olhando para o céu.

Um comentário: