Poemas em nome próprio
De renomes idos
Sentimentos lidos
Declamações mudas
Janelas de perspectiva infinda
Um diário livre


sexta-feira, 6 de agosto de 2010

circunvolução

A roda gigante roda
no relógio os ponteiros rodam
a terra inteira roda e
eu também com ela rodo
roda a vida inteira roda

roda roda roda
roda tudo sem parar

Em silêncio os astros rodam
roda tudo ao meio-dia
ao pôr-do-sol eu rodo
roda tudo ao luar

Roda moça em meus braços
deixa o sonho te levar
Copérnico também roda
conosco o mundo roda
também roda o verbo amar

Roda a música da vida
melodia pra girar
nascendo o sol eu rodo
as crianças brincam de roda
continuemos a rodar

Roda bem o coração
peão dentro do peito
amando tudo o que com ele roda
dançando com quem seja par

Leva tudo a rodar veloz
num desejo centrífugo de voar
vai meu coração em tudo que roda

roda roda roda
roda tudo sem parar

Um comentário: